Presidente da República Visita a EPC de Chihango e dialoga com os alunos sobre a segurança rodoviária

O Presidente da República de Moçambique, Filipe jacinto Nhysi acompanhado de diversos dirigentes a vários níveis visitou no dia 11 de Junho de 2018 a EPC de Chihango, numa altura em que a AMVIRO desenvolvia na mesma escola o projecto School Zone. Nhysi dialogou longamente com os alunos e por fim anunciou a construção no local de uma ponte pedonal sobre a estrada circular de Maputo, em resposta as exigências da População e escola locais. Esta visita teve lugar dias depois da morte da menina Tauana, 6 anos e ex-aluna de Chihango vítima de um atropelamento sobre uma passadeira.

Continuar a ler

PR defende responsabilização dos causadores de acidentes

Foto de família do II Simpósio sobre Segurança Rodoviária, a 30 de Novembro de 2017, em Maputo, com o chefe de Estado Moçambicano, Filipe J. Nhusi, ladeado pelo MTC e Representante da OMS (a esquerda) e Governadora da Cidade e Presidente do CM de Maputo a direita. Entre outras personalidades, figura, Alexandre P. Nhampossa, Presidente da AMVIRO (o 3º na segunda fila, de direita para esquerda, de óculos)

O II Simpósio sobre segurança rodoviária teve lugar em Maputo, a 30 de Novembro de 2017 organizado pelo Ministério dos Transportes e Comunicações (MTC) e vários parceiros sob o lema . na sua intervenção, o Presidente da República Filipe Jacinto Nhusi assinalou que Moçambique não pode continuar a assistir, impávida e serenamente, os acidentes de viação, que já mataram mais de 10 mil pessoas deste 2011 a esta parte, por isso, urge responsabilizar os que continuamente provocam luto no país.

O chefe de Estado apontou que os acidentes rodoviários que em Moçambique já se transformaram numa “calamidade pública”, além de custos físicos e psicológicos envolvidos, impactam negativamente nos serviços de saúde, infra-estruturas como redes de energia eléctrica, água, sinalização viária, praças, edifícios, entre outros. Isto concorre para que os recursos, que deviam seguir para outras prioridades sejam desviados para reparar os danos dos sinistros.

“Só com um compromisso individual e colectivo responsável podemos inverter a tendência assustadora acima descrita”, disse Filipe Nhusi visivelmente preocupado.

Por seu turno, Carlos Mesquita, Ministro dos Transportes e Comunicações do nosso país, que dirigiu todos os trabalhados que se prolongaram por todo o dia útil desta quinta-feira (só terminaram depois das 19h), sublinhou no seu discurso que “não vamos esperar do documento final para avançarmos com acções no terreno, até por que estamos a entrar para o final do ano e temos que garantir que todos os cidadãos e bens circulem em segurança em todo o território nacional e não só.

Continuar a ler